Manter massa muscular é importante para longevidade

Uma pesquisa na USP revelou a importância da massa muscular para a longevidade. O estudo aponta que o risco de mortalidade foi quase 63 vezes maior entre mulheres com pouca massa muscular.

Foram analisados dados de 839 idosos com 65 anos ou mais, o objetivo era analisar como a quantidade de músculos influencia na longevidade de cada um. Eles concluíram que o risco de mortalidade foi quase 63 vezes maior entre as mulheres com pouca massa muscular. Entre os homens com menos massa muscular, a chance de morrer foi 11,4 vezes maior. E de modo geral, os participantes que morreram eram mais velhos, faziam menos exercícios físicos, tinham diabetes e doenças do coração.

A pesquisa também identificou que cerca de 40% das causas de morte foram devido a doenças cardiovasculares, por insuficiência cardíaca. Há dois fatores por trás disso. O primeiro é que o sujeito que vai ter uma doença cardíaca tem menos músculos porque qualquer doença crônica é uma inflamação. E a inflamação diminui a produção muscular.

Rosa Maria Rodrigues Pereira, professora da Disciplina de Reumatologia da Faculdade de Medicina da USP e coordenadora da pesquisa, explica que: em qualquer doença crônica você acaba produzindo menos músculos. Isso acontece também em doenças reumatológicas e diabetes, por exemplo. O segundo fator é que a atividade física é boa para a atividade cardiovascular.

Outra informação relevante é que quase metade dos brasileiros perde músculos a partir dos 80 anos. A perda músculos associada ao envelhecimento é conhecida como sarcopenia. Dados da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia indicam que 46% dos brasileiros acima de 80 anos sofrem disso.

Para recuperar a massa muscular perdida, a médica Maria Rodrigues indica uma rotina de exercícios físicos e uma dieta rica em proteínas. E ainda destaca: É importante, que a partir dos 60 anos, continuem comendo peixe, ovo, carne e frango. Ou proteínas de origem vegetal: feijão, grão de bico, lentilha e amêndoas, por exemplo. E a atividade física, com musculação, com pesos, que é uma coisa boa para aumentar a massa muscular.

3 frutas que ajudam no baixo consumo de ácido fólico e evitam a fraqueza

O ácido fólico ajuda muito o nosso organismo, ele pode evitar anemia, cansaço persistente, fraqueza, letargia, palidez, falta de ar e irritabilidade.

Os veganos e vegetarianos sentem mais essa falta de vitamina B9, e os médicos recomendam 240mcg de ácido fólico por dia. Portanto separamos algumas frutas ricas nesse mineral:

  1. Abacate (69 mcg de ácido fólico)

Rica em antioxidantes e em gorduras monoinsaturadas, que ajudam na prevenção de doenças cardiovasculares. É fonte de ômega 6, ômega 9 e ômega 7, nutrientes que mantêm o equilíbrio do organismo e auxilia a perda de gordura corporal. Em uma xícara de chá (130 gramas) temos 90 mcg de ácido fólico. Em 100 g são 69 mcg

  1. Mamão papaia (57 mcg de ácido fólico)

Rico em fibras e nutrientes como a vitamina C e o licopeno. Seu consumo ajuda no sistema imunológico, traz viço e beleza à pele, além de beneficiar o trânsito intestinal. Em uma unidade (200 gramas) temos 115 mcg de ácido fólico. Em 100 g são 57 mcg.

  1. Morango (15 mcg de ácido fólico)

Fonte de vitamina C e cálcio. Essa fruta ajuda no combate ao envelhecimento precoce da pele devido ao seu poder antioxidante. Em uma xícara de chá (160 gramas) temos 25 mcg de ácido fólico. Em 100 g são 15 mcg.

Receita de patê de frango para o Pós Treino

Na maioria das vezes focamos bastante no que comer no pré-treino, mas o que muitos não sabem é que a alimentação pós treino também é bem importante.

A alimentação feita no pós treino tem o objetivo de fornecer carboidratos da repor as energias, auxiliando também na recuperação das fibras musculares que foram exigidas durante os exercícios.

Vale lembrar também que ingerir fontes de boas gorduras como abacate, amendoim, azeite… vão te ajudar na absorção de vitaminas e fornecimento de energia.

Então vamos conferir uma ótima receita para o seu pós treino?

Confira!

Patê leve de frango

Ingredientes:

1/2 peito de frango cozido e desfiado

100 gramas de creme de ricota

Cebolinha e salsinha fresca

Meia xícara (chá) de azeitonas verdes picadas

Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

Bata no processador de legumes o peito cozido, a salsinha e cebolinha. Depois acrescente o creme de ricota, as azeitonas, sal e pimenta até que forme um creme. Sirva com torradinhas integrais, pães ou com legumes crus, como pepino e cenoura em palitos.

Receita de começo de ano: Quiche de espinafre low carb

O ano de 2020 começou e sua dieta precisa continuar regrada, mas apostamos que você já esteja cansada(o) das mesmas receitas low carb, então resolvemos dar uma ajudinha com esse Quiche de espinafre delicioso e claro, bem saudável!

Confira a receita e se delicie!

Ingredientes

1/2 xícara (chá) de farinha de amêndoa
1/4 xícara (chá) de azeite de oliva (acrescente um pouquinho mais se a massa ficar esfarelada)
1 pitada de sal
1 maço de espinafre lavado (recheio)
4 unidades de ovo
1/4 xícara (chá) de creme de leite fresco (ou leite vegetal: de castanha, amêndoa, aveia)
1 colher (chá) de fermento químico (recheio)
1 xícara (chá) de queijo parmesão ralado (recheio)

Modo de preparo

Em um bowl, misture todos os ingredientes da massa (farinha de amêndoa, azeite e sal) até formar uma massa. Forre o fundo e as laterais de uma fôrma média de aro removível. Leve ao forno preaquecido a 180 °C por 15 minutos. Reserve. Refogue o espinafre com 1 fio de azeite por 2 minutos. Junte aos ovos, ao creme de leite, ao fermento e ao parmesão, misture bem e coloque sobre a massa. Leve ao forno por mais 20 minutos ou até assar completamente (ou faça o teste do palito).

O que sua alimentação tem a ver com sua saúde mental?

Será que somos mesmo o que comemos? A ciência diz que sim.

A nossa dieta influência nosso estado mental. De modo geral, os especialistas observam o equilíbrio entre dois grupos alimentares: o açúcar e a gordura. É a partir deles que obtemos a maior parte da nossa energia, mas também são ele, que se consumidos em excesso, causam desequilíbrios preocupantes.

Para entender melhor como comer mal danifica o cérebro, vamos começar falando do estresse oxidativo, que é um processo natural de liberação de radicais livres de oxigênio no corpo e se avoluma com a idade, mas a dieta pode acelerar esse acúmulo.

A obesidade induzida por dietas ricas em açúcar e gorduras saturadas promove resistência do nosso organismo à ação da insulina, hormônio responsável por “colocar” a glicose dentro das células. Isso aumenta a glicemia, que é a quantidade de açúcar presente no sangue.

É por isso que devemos sempre procurar uma nutricionista que vá entender melhor cada caso e receitar uma dieta certa para o seu corpo e objetivo.

Mas e aí, o que será que faz bem ao cérebro?

Alimentos anti-inflamatórios, gordura simples e antioxidantes, como frutas, legumes, nozes e vinho parecem fazer um efeito positivo e restaurador sobre o órgão, protegendo-o do estresse oxidativo que falamos anteriormente.

A epidemiologista Camille Lassale, pesquisadora do University College, no Reino Unido, diz que determinados hábitos alimentares podem levar à depressão.

“O vínculo é claro. Não quero dizer que uma dieta ruim nos deixa tristes porque engordamos e nos sentimos mal com o ganho de peso. Nossos hábitos alimentares nos fazem realmente adoecer, mexem com o sistema imunológico, além de afetar a saúde mental.”

Na hora de adoçar os alimentos, será que é melhor mel ou açúcar mascavo?

Na batalha entre o mel e o açúcar mascavo, o quesito sabor fica bem empatado, ambos são ótimos para deixar todas as receitas mais docinhas. Mas qual é o mais saudável?

Primeiro de tudo devemos entender que o principal é saber moderar, o ideal é que as pessoas consumam, no máximo, uma colher de chá por dia, seja de mel ou do açúcar. Isso porque os dois têm altas cargas glicêmicas e quase a mesma quantidade de caloria.

Para te ajudar a decidir a melhor opção para você, confira abaixo quais são as diferenças entre o açúcar mascavo e o mel.

MEL
– Bom para o pré-treino
– Ajuda com doenças respiratórias e digestivas
– Possui efeitos anti-inflamatórios e cicatrizantes
– Ideal para gripes e resfriados
– Ideal para asma, acne e problemas no intestino
– Acompanha bem iogurtes e aveias

AÇÚCAR MASCAVO

– Entre os açúcares é o melhor para o sistema digestivo
– Contém magnésio, cálcio, fósforo e potássio
– Acompanha bem receitas de bolos fitness

Será que é possível ganhar músculos sem proteína animal?

Este mês foi comemorado o Dia Mundial do Veganismo, um estilo de vida que está sendo aderido cada vez mais na vida dos brasileiros. Mas será que as pessoas que não comem mais proteína animal, consegue ganhar músculos?

E a resposta é sim! E quer mais? A ciência já comprovou isso.

As proteínas são compostas de pequenos aminoácidos, e eles podem ser divididos em não essenciais (que são fabricados naturalmente pelo corpo humano) e os essenciais (aqueles que não são produzidos pelo corpo). A maioria de nós consome os aminoácidos essenciais por meio da carne, mas olha só, eles também estão presentes no reino vegetal!

Portando, é isso, todas as proteínas necessárias para um bom funcionamento do corpo também podem ser encontradas na alimentação plant based.

Quer uma prova disso? A tenista Serena Williams é veganae também uma das melhores atletas de todos os tempos.

Irei engordar mais fácil por comer mais carboidratos?

A Nutricionista Luna Azevedo explica: Quando falamos em carboidratos, as pessoas desconhecem que eles são a principal fonte de glicogênio para o nosso organismo, uma substância responsável por quase todas as reações metabólicas do corpo”.

E isso inclui a geração de energia para realizarmos coisas como nossos batimentos cardíacos e até praticarmos a musculação. Ou seja: sem glicogênio, é impossível aumentar nosso volume muscular.

Praticar exercícios físicos 4 vezes na semana, pode reduzir a vontade de fumar e comer doce

Um estudo realizado pela Universidade Western, no Canadá revelou que a endorfina e a serotonina liberadas no treino amenizam a dependência pelo cigarro. Foram 4 semanas malhando e estudando os participantes que disseram não sentir mais o mesmo desejo em fumar e até reduziram sua frequência.

Ou seja, novos hábitos podem te ajudar a parar de fumar e a diminuir o desejo por doce, além é claro de ter uma vida mais saudável. 

O neuropsicólogo Stanly Huang explica: ”Os exercícios liberam endorfina e serotonina, hormônios que combatem os sintomas da abstinência. Se a sua compulsão dor por doce, a atividade física também tende a beneficiá-la, pois melhora a absorção do açúcar, amenizando a necessidade de guloseimas.

Receita de smoothie para o verão

Confira a receita de smoothie de abacate com gengibre.

É fácil, rápido, prático e saudável!

Ingredientes:
1 abacate
1 xícara (chá) de gengibre gelado
2 colheres (sopa) de amêndoas em lascas
1 colher (chá) de açúcar de coco
1 pitada de canela em pó

Modo de Preparo:
Retire a polpa do abacate com uma colher e bata no liquidificador com os demais ingredientes. Sirva em seguida.

Receita para a entrada da primavera

Acabamos de entrar na primavera, e com as temperaturas mais altas, chegou a hora de incluir frutas, saladas e peixe na dieta.

O ceviche de salmão com manga é uma ótima opção para um jantar leve e saudável. Confira a receita e aproveite!

Ingredientes:

– 400 gramas de salmão export sem pele

– 1 cebola roxa grande, cortada em tiras

– 1 manga grande, madura, mas ainda firme

– 1 pimenta rocoto cortada em juliana fina

– ½ xícara de milho cozido (grãos grandes, tipo peruano)

– 2 colheres de sopa de coentro fresco picado

– Suco de 2 limões

– 2 colheres de sopa de azeite de oliva

– Sal e pimenta

– 1 batata doce cozida cortada em rodelas

Preparo:

– Cortar o salmão export em cubos de uns 2 cm.

– Descascar e cortar a manga em cubos de uns 2 cm.

– Em uma travessa, misturar o salmão com a cebola roxa, milho cozido e pimenta rocoto em juliana.

– Acrescentar o suco de limão, azeite de oliva, sal e pimenta. Misturar bem.

– Acrescentar a manga fresca picada, salpicar com coentro fresco picado e servir imediatamente, acompanhando o prato com batata doce cozida, cortada em rodelas médias.